terça-feira, 7 de abril de 2009

APRENDENDO MKT COM OBAMA


Esta é uma transcrição de um artigo postado no blog de David Meerman Scott (strategista de marketing e escritor americano), onde ele lista “10 lições de marketing da campanha presidencial de Barack Obama”.
São algumas observações sobre os principais motivos de Obama ter sido eleito o 44º Presidente dos Estados Unidos. Se você é a favor ou não de Obama, não vem ao caso, pois se tratam de reflexões de marketing, por isso vale a pena como estudo de caso.
Então, para você que está sempre se atualizando em como se potencializar como líder, podemos aprender um pouco com o homem mais poderoso do mundo.
Segue:
1. Mídias sociais e as novas regras de marketing são essenciais. As outras campanhas pareciam estar se guiando com manuais de campanhas passadas. Hillary Clinton estava seguindo um script de campanha semelhante ao que elegeu Bill Clinton. John McCain seguiu na linha de campanha de George W. Bush. Obama percebeu que para se tornar presidente, ele tinha de prestar contas às pessoas utilizando-se do meio on-line como uma ferramenta primária, e não secundária. Na minha opinião, Barack Obama é o mais bem-sucedido “new marketer” da história.
2. Abrace os repórteres-cidadãos. Meu amigo Steve Garfield é um blogueiro de vídeo bem conhecido. Ele tem dezenas de milhares de seguidores. Durante as primárias, Garfield assistiu à diversas manifestações realizadas pelos candidatos. Quando ele pediu para fazer parte de uma coletiva de imprensa de Hillary Clinton em Boston, não permitiram que se juntasse aos demais pois ele não era um “verdadeiro jornalista”, e teve que cobrir tudo junto à multidão. No entanto, a campanha de Obama imediatamente permitiu que ele participasse de coletivas junto à repórteres de grandes jornais e das grandes redes de TV. A campanha de Obama percebeu que os “repórteres-cidadãos” exercem imenso poder de influência.
3. Articule de forma simples e clara o que você deseja que as pessoas acreditem. Desde o início, Obama falou sobre “mudança”. A palavra “mudança” foi utilizada em toda a sua campanha, tanto que o mundo inteiro sabia o que significava para Obama. Eu pedi à um grupo de 300 pessoas em Riade, na Arábia Saudita que me dissessem em uma única palavra o que lhes vem à cabeça quando digo Barack Obama, e todos na sala disseram “MUDANÇA”. Incrível. Pense rápido: O que lhes vem à cabeça sobre as propostas de outros candidatos? John McCain, John Edwards, Hillary Clinton, Mitt Romney, ou quaisquer outros. Difícil dizer, não é?
4. As pessoas não se preocupam com produtos e serviços, mas sim como cuidar de si mesmos e sobre como resolver os seus problemas. Obama compreendeu que o trabalho dele era o de resolver os problemas que os eleitores enfrentam. Ele também sabia que deveria comprar os eleitores por apresentar soluções coletivas, e não apenas se demonstrando como indivíduo. Notou que nos discursos, Obama quase não se refere à sua popularidade, ou mesmo a si próprio? E os demais candidatos nas primárias? Todos os outros candidatos falaram tanto de si que incomodava. Obama foi o candidato mais concentrado.
5. Não seja obsessivo com a concorrência. Você percebeu que Obama raramente falava de sua concorrência? De vez em quando ele falava, mas ele focou principalmente nos problemas dos eleitores. McCain falou muito sobre Obama. Curiosamente, tanto Clinton quanto McCain tentaram associar-se com a palavra “mudança” (palavra da competição), mas ambos falharam porque as pessoas já haviam associado isso à Obama.
6. Ponha seus fãs em primeiro lugar. Obama utilizou-se de muitas ferramentas para fazer uma campanha abrangente e alertar seu público sobre o desenvolvimento de sua campanha. Descobri no Twitter que Joe Biden seria seu vice. Incrível. Obama disse isso à seus fãs ANTES de dizer aos principais meios de comunicação. Claro, repórteres mais antenados foram ao Twitter na sequência de sua alimentação. Detalhe: Obama é um dos sujeitos mais seguidos no Twitter em todo o mundo (mais de 140.000 seguidores).
7. As pessoas não gostam de tele-marketing. Você gosta de receber chamadas de telefone importunas ou em horários não apropriados? A equipe do McCain parece pensar que sim, utilizando-se de uma ação desenfreada com os chamados robo-calls.
8. Negatividade não vende. Obama trabalhou com a temática da esperança e da idéia de que a vida pode ser melhor com a mudança, transformando muitas pessoas. As outras campanhas que colocavam medo nas pessoas não funcionaram desta vez.
9. Alguém que se torna um doador, vai falar sobre isso à outras pessoas. Obama alcançou mais de 3 milhões de doadores, que ofereceram US$ 640 milhões para sua campanha. A maioria contribuiu com pequenas quantias. Uma vez que alguém doa dinheiro, é porque tem grande interesse no candidato. Então, lotes de pequenos doadores, são melhores do que alguns gatos gordos.
10. Tome tempo para sua família. Ok, talvez esta não seja realmente uma lição de marketing. Obama reservou tempo para estar com sua esposa e filhas, quando ele poderia ter feito um comício em algum lugar. Ele tirou vários dias no final da corrida para passar tempo com sua avó doente. Enquanto ele era puxado para fora do “trabalho”, creio que as pessoas respeitaram sua devoção à família.
É importante notar que isso não vale só para a política. É possível assimilar essas regras e aplicá-las ao mundo corporativo facilmente.


Fonte> http://www.szilag.com/post/aprendendo-marketing-com-obama

Um comentário:

  1. fla deus
    foi mt bom ler este artigo
    verdadeiramente precisamos aprender o real sentidodoviver e suas realizacoes
    sucesso e continue nessa linhagem real
    teu manao sassa

    ResponderExcluir